Terça, 24 de novembro de 2020
11 98139-4935
Política

19/10/2020 às 03h00 - atualizada em 20/10/2020 às 03h51

44

Redação Portal Boas Novas

Carapicuíba / SP

Marco Aurélio chama Fux de autoritário: 'Quer me ensinar como votar'
Marco Aurélio fez um duro voto contra a suspensão do HC que concedeu ao réu sob o argumento de que sua decisão individual não poderia ter sido derrubada pelo presidente da corte
Marco Aurélio chama Fux de autoritário: 'Quer me ensinar como votar'

N


o final do julgamento em que o Supremo Tribunal Federal decidiu quinta-feira (15) pela manutenção da ordem de prisão do traficante André Oliveira Macedo, o André do Rap, os ministros Marco Aurélio Mello e Luiz Fux protagonizaram um desentedimento.


Marco Aurélio fez um duro voto contra a suspensão do HC que concedeu ao réu sob o argumento de que sua decisão individual não poderia ter sido derrubada pelo presidente da corte. Fux afirmou que o assunto havia sido discutido preliminarmente e que, a partir de então, o ministro deveria se pronunciar sobre o mérito do julgamento.


“Só falta essa, Vossa Excelência querer me ensinar como votar. Só falta essa. Não imaginava que seu autoritarismo chegasse a tanto”, disse Marco Aurélio. “Não ouvi o que Vossa Excelência disse”, respondeu Fux. "Só falta Vossa Excelência querer me peitar para eu modificar meu voto. Meu habeas corpus continua íntegro, será levado ao colegiado", continuou Marco Aurélio.


O julgamento começou na quarta (14) e terminou na quinta (15). A maioria dos ministros seguiu o voto do presidente do STF, relator do caso, para quem o traficante “debochou da Justiça”. Na tarde de quarta-feira (15), além do presidente, votaram pelo restabelecimento da prisão de André do Rap os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Dias Toffoli.


Os ministros seguiram entendimento de Fux, que defendeu a importante da colegialidade na corte e a situação excepcionalíssima da atuação da presidência. E voltou a dizer que a soltura "compromete a ordem e a segurança públicas", por se tratar de paciente "de comprovada altíssima periculosidade".


Nesta quinta, votaram Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello, agora decano da Corte. "O que está em jogo neste julgamento é saber se o presidente pode tirar do cenário jurídico uma tutela de urgência implementada por um par", afirmou Marco Aurélio, que ficou vencido.

FONTE: CNN Brasil

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados