Sexta, 05 de março de 2021
11 98139-4935
Saúde

19/01/2021 às 03h00 - atualizada em 18/01/2021 às 07h57

40

Redação Portal Boas Novas

Carapicuíba / SP

Uso emergencial de vacinas contra a Covid-19: como funciona
Anvisa aprovou neste domingo (17) o uso emergencial de 8 milhões de doses importadas da CoronaVac e da vacina de Oxford. Esse tipo de vacinação tem regras próprias.
Uso emergencial de vacinas contra a Covid-19: como funciona

A


Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19 no Brasil. São elas:


·         a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e pelo grupo chinês Sinovac;


·         a vacina de Oxford, desenvolvida pela universidade britânica e pelo laboratório AstraZeneca.


A autorização é limitada a 8 milhões de doses importadas e foi concedida a pedido do Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que será a fabricante da vacina de Oxford no Brasil.


São 6 milhões da CoronaVac, que o Butantan já recebeu da China e que serão entregues ao Ministério da Saúde, e 2 milhões de doses da vacina de Oxford que o governo federal ainda tenta trazer da Índia. A operação que faria o traslado neste fim de semana fracassou.


O uso emergencial tem regras próprias e não significa que a população em geral pode ser vacinada a partir de agora. Para isso, é necessário que a Anvisa conceda o registro definitivo das vacinas, o que ainda não ocorreu.


Veja, abaixo, as regras do uso emergencial:


·         a Anvisa só avalia o uso emergencial de vacinas que foram testadas na fase 3, a última, aqui no Brasil;


·         4 vacinas se encaixam neste critério até agora: CoronaVac, Oxford, Pfizer e Janssen;


·         a vacinação emergencial é feita exclusivamente no sistema público de saúde;


·         a autorização concedida pela Anvisa pode ser revogada a qualquer momento;


·         cada pedido deve ser feito pela empresa desenvolvedora da vacina e será analisado de forma independente;


·         a decisão é tomada pela Diretoria Colegiada da Anvisa;


·         são considerados estudos não-clínicos e clínicos (em humanos);


·         são avaliados itens como: qualidade, boas práticas de fabricação, estratégias de monitoramento e controle, resultados provisórios de ensaios clínicos;


·         a empresa interessada deverá comprovar que a fabricação e a estabilidade do produto garantem a qualidade da vacina.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2021 :: Todos os direitos reservados